Sistema informático das repartições de Finanças em baixo. Fisco nega problemas

"Os problemas no sistema informático são um problema recorrente e, apesar de todos os desmentidos, persiste em acontecer", garante sindicato.

(ATUALIZADA ÀS 16H20 com reação da Autoridade Tributária e Aduaneira)

O sistema informático da Autoridade Tributária tem estado esta manhã em baixo em algumas repartições de Finanças de norte ao sul do país, garantiu hoje o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI).

O problema foi denunciado à Lusa por contribuintes, que se deslocaram esta manhã às repartições sem conseguirem dar andamento aos processos devido aos problemas no sistema, e foi depois confirmado pelo presidente do STI, Paulo Ralha.

"Dos contactos que fiz, concluo que o sistema informático está em baixo em várias repartições espalhadas do norte ao sul do país", disse Paulo Ralha.

No entanto, mais tarde, a Autoridade Tributária (AT) negou a existência de problemas no sistema informático. "De acordo com a informação prestada pela Autoridade Tributária e Aduaneira, não houve indisponibilidade do sistema informático em qualquer dos seus serviços no dia de hoje", dizia uma nota do Ministério das Finanças, que tutela a AT, enviada à Lusa.

Na semana passada este responsável do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos já tinha dado conta de que os processos de contraordenação da AT estavam parados devido a problemas informáticos, informação que também foi desmentida pelo ministério das Finanças que, para comprovar a ausência de problemas, emitiu um comunicado dando conta do número de multas cobradas nessa semana.

"Os problemas no sistema informático são um problema recorrente e, apesar de todos os desmentidos, persiste em acontecer", comentou à Lusa o presidente do STI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.