Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado marca greve geral para 8 de novembro

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) anunciou hoje uma greve geral, conjunta com as restantes estruturas sindicais da Administração Pública, para dia 08 de novembro.

Trata-se de uma "primeira reação" às medidas apresentadas pelo Governo na terça-feira na proposta de Orçamento do Estado para 2014 (OE2014), explicou a vice-presidente do STE, Helena Rodrigues.

"Entendemos que este é o pior momento desde o 25 de abril de 1974, para todos os trabalhadores, entre os quais os funcionários públicos", sublinhou a sindicalista.

Para o STE, o Governo reservou, uma vez mais, a "fatia de leão" do corte nas despesas para a Administração Pública.

As medidas apresentadas, entre os quais uma nova redução salarial de entre 2,5 e 12% para salários a partir de 600 euros, é por isso "um ataque brutal" à Administração Pública que tem que ser contestado por todos, acrescenta.

Helena Rodrigues considera que algumas das medidas inscritas na proposta colidem com preceitos constitucionais, nomeadamente no que se refere à nova redução salarial, "que acontece desde 2010 e por isso já não é temporária, começa a consolidar-se".

"Não percebemos a estratégia do Governo, que confunde consolidação com reforma do Estado. Consolidação orçamental e cortes não são reforma do Estado", finalizou.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.