Sindicato dos pilotos inflexível. Greve vai mesmo avançar

TAP. Sem reuniões marcadas para uma última tentativa de acordo, a paralisação que afetará 300 mil passageiros será para cumprir. Pilotos contra a greve vão assegurar alguns voos além dos serviços mínimos.

"De pé." Foi esta a resposta do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), quando questionado sobre a sua posição relativamente à manifestação que levou 300 trabalhadores da TAP a marchar contra a greve marcada para os primeiros dez dias de maio.

O SPAC mantém-se irredutível na sua decisão perante os apelos da administração da TAP, do governo e dos colegas. E garante que não estão marcadas mais negociações para encontrar uma alternativa à greve. Também a TAP confirmou que não há reuniões marcadas para uma tentativa de conciliação na véspera da paralisação que deverá afetar, a partir de amanhã, 300 mil passageiros. E que já terá levado um dos concorrentes à privatização a desistir da TAP. Mas nunca os trabalhadores da companhia aérea estiveram tão divididos.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...