"Seria vantajoso" privatizar a TAP esta legislatura, diz ministro

O ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou hoje que seria vantajoso que a privatização da TAP acontecesse ainda durante esta legislatura, mas lembrou que o Governo ainda não tomou uma decisão.

O governante falava na comissão parlamentar da Economia e Obras Públicas, no âmbito de requerimentos do PCP e do PS sobre o comércio internacional.

"Considero que seria vantajoso" conseguir "privatizar a TAP nesta legislatura", afirmou o governante, explicando que a transportadora aérea portuguesa "precisa de maior flexibilidade de gestão e de capital para se desenvolver e crescer".

O ministro disse ainda que "o Governo não tomou decisão nesta matéria".

Na sua audição, Pires de Lima adiantou que o Governo está a lançar um desafio ao PS para participar na reforma do IRS.

"Haverá medidas nesta matéria que serão apresentadas, seguramente, quando for apresentado o Orçamento do Estado", acrescentou.

O presidente da TAP, Fernando Pinto, afirmou no parlamento a 01 de outubro que já tinha apresentado ao Governo "três ou quatro interessados" na privatização da companhia.

O empresário português Miguel Pais do Amaral, com o antigo dono da Continental Airlines, Frank Lorenzo, o grupo espanhol Globalia, dono da Air Europa, o empresário Gérman Efromovich e a companhia brasileira Azul têm sido apontados na imprensa como interessados na operação.

O Governo português recusou, em dezembro de 2012, a proposta de compra da TAP feita pelo grupo Synergy, detido pelo empresário colombiano Germán Efromovich, o único concorrente à privatização, e a venda está suspensa desde então.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.