Redução não será maior do que em 2012, diz Passos

O primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje que os pensionistas e os reformados não vão sofrer em 2014 uma redução de rendimentos maior do que em 2012.

Em declarações aos jornalistas, num hotel da Cidade do México, onde se encontra em visita oficial, Pedro Passos Coelho considerou que o Orçamento do Estado para 2014 é "duro", inclui medidas "bastante duras e difíceis", mas chama "todos os setores da sociedade portuguesa" a contribuir para a redução do défice para 4% do Produto Interno Bruto (PIB).

"Não há rigorosamente nenhum setor em Portugal que não contribua de forma especial para esse objetivo", alegou o chefe do executivo PSD/CDS-PP.

O primeiro-ministro português apontou depois a "redução maior nos salários da função pública relativamente àquela que já existia desde 2011, que não vai acumular, vai substituir", e a "reforma que vai ser feita ao nível das funções públicas, que irão convergir para o sistema privado" como "medidas de maior impacto social" e "que são realmente difíceis".

"Em qualquer caso, quando as comparamos com o esforço que fizemos em 2012, não representam um esforço maior, nem para os pensionistas, nem para os funcionários públicos. Eles não vão em 2014 sofrer uma redução superior àquela que tiveram em 2012", acrescentou.

Segundo o primeiro-ministro, 2013 "foi um ano especial, na medida em que o Governo teve de fazer a reposição por inteiro do subsídio de Natal".

Passos Coelho referiu que as medidas de corte nos rendimentos dos pensionistas e funcionários públicos em 2014 "estavam inicialmente previstas" no acordo resultante da sétima avaliação do programa de resgate a Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.