PT vai distribuir em Junho 1,30 euros em dividendos

O presidente executivo da PT considera que 2010 foi um ano "extraordinário" em matéria de dividendos, acrescentando que a operadora renova hoje o compromisso de distribuir 1,30 euros em dividendos em Junho, que classificou como dos melhores no sector.

"Hoje prestamos contas aos nossos accionistas e renovamos o compromisso de lhes entregar um retorno pelo seu investimento entre os melhores no sector. Vamos distribuir o dividendo a aprovar nesta assembleia-geral já no próximo dia 3 de Junho", disse à Lusa Zeinal Bava à Lusa.

Em causa está parte do dividendo extraordinário relativo à venda da Vivo de 0,65 euros por acção (um euro já tinha sido pago em Dezembro) e mais 0,65 euros por acção em dividendo ordinário relativo na 2010. O dividendo ordinário foi revisto em alta em 13 por cento face ao compromisso anterior.

Em declarações anteriores, Zeinal Bava disse que a intenção é o acréscimo entre três a cinco por cento nos anos de 2012 a 2014.

"A PT teve um ano extraordinário, com o investimento em fibra e com a venda da Vivo. O Conselho de Administração da PT deliberou que 80 por cento do encaixe seria reinvestido no nosso negócio. Acho que nestas transacções poucas empresas no mundo conseguiram fazer este tipo de distribuição", disse Zeinal Bava à entrada da assembleia-geral de accionistas que decorre hoje em Lisboa.

O presidente executivo da PT afirmou que este foi um equilíbrio "que mostra coragem e visão estratégica" a longo prazo na operadora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.