PSI 20 acompanha Europa com BCP a puxar

O principal índice da bolsa portuguesa, o PSI 20, seguia hoje positivo, acompanhando a tendência europeia, com as ações do BCP a valorizarem mais de 1% no arranque de uma semana mais curta do que o habitual.

Pelas 08:30, o PSI 20 seguia a avançar 0,30%, para 5.839,54 pontos, com 11 empresas do índice a negociarem em terreno negativo, sete positivas e duas inalteradas.

As empresas que mais valorizavam eram o BCP e a EDP, com ganhos de 1,05% e 0,54%, para 0,1 euros e 2,42 euros, respetivamente.

Em terreno negativo seguia o Banif e a Novabase, com perdas acentuadas de 5,74% e 3,84%, para 0,12 e 2,73 euros.

Lisboa acompanhava a tendência da Europa, com as principais bolsas europeias a negociarem com ganhos ligeiros, à exceção de Milão, antes de Chipre se reunir com a 'troika' (União Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu) para pedir melhores condições para as medidas acordadas no resgate.

Depois das bolsas terem estado encerradas na sexta e segunda-feira devido às festividades da Páscoa, os investidores aguardam hoje pela divulgação de dados sobre o desemprego de fevereiro na União Europeia e Zona Euro.

Nos EUA, serão divulgados as encomendas à indústria de março.

Além da situação de Chipre, persiste na zona euro a incerteza relativamente ao futuro político de Itália.

Tanto o euro como o barril de petróleo Brent começaram a sessão em alta nos respetivos mercados, com a moeda única europeia a subir hoje até aos 1,2855 dólares, enquanto o crude de referência na Europa cortava no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres a 110,84 dólares, mais 0,82 dólares do que na última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?