PSD e CDS aprovam sobretaxa do IRS, crédito fiscal e redução do IRC

Votações na especialidade do Orçamento do Estado 2015 na Assembleia da República incluíram ainda alterações ao IMI e ao imposto sobre bebidas alcoólicas.

Os deputados do PSD e CDS aprovaram sozinhos hoje na especialidade a sobretaxa de IRS e o crédito fiscal que poderá devolver parte do imposto pago, e também a redução da taxa do IRC para os 21% em 2015.

Nas votações na especialidade da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2015 (OE2015), os deputados que suportam o Governo no parlamento votaram a favor do artigo que mantém em 2015 a sobretaxa em sede de IRS (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares) e que introduz um crédito fiscal, fazendo depender da evolução das receitas de IRS e de IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) a devolução total ou parcial em 2016 do montante pago no próximo ano. Todos os outros partidos votaram contra este artigo.

Na proposta de OE2015, o executivo mantém a sobretaxa de 3,5% em sede de IRS aplicada ao montante que exceda salário mínimo nacional e introduz "um crédito fiscal que permitirá desagravar, parcial ou totalmente, a coleta da sobretaxa referente ao ano de 2015".

No entanto, este desagravamento está dependente das receitas de IVA e de IRS, uma vez que a fórmula de cálculo do crédito fiscal considera a diferença entre a soma das receitas efetivamente cobradas nestes impostos (e apuradas na síntese de execução orçamental de dezembro de 2015) e soma da receita agora estimada para o conjunto do ano. Isto quer também dizer que só em 2016 é que o contribuinte vai saber a sobretaxa paga ao longo do ano foi ou não desagravada.

Na votação de hoje na especialidade, os deputados do PSD e do CDS aprovaram também a redução da taxa nominal do IRC (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas), de 23% para 21%, a aplicar a partir de janeiro do próximo ano, um tema que incendiou o debate durante a manhã. As bancadas parlamentares do PS, do PCP e do BE votaram contra.

Quanto ao IMI(Imposto Municipal sobre Imóveis), foi aprovada - com os votos a favor do PSD e do CDS, a abstenção do PS e o voto contra do PCP e do BE - a proposta de alteração apresentada pelo PSD e pelo CDS, que remete para as autarquias a decisão de baixar ou não o imposto para as famílias com mais dependentes.

O PS tinha apresentado uma proposta que pretendia alterar a cláusula do IMI, "determinando que em cada ano, incluindo em 2014, a liquidação do IMI não possa ultrapassar o do ano anterior, adicionada de 75 euros até ao valor patrimonial tributário apurado na avaliação" do imóvel, segundo explicou o deputado socialista Ramos Preto. A proposta foi chumbada.

Ainda nos impostos indiretos, foram também aprovados na especialidade os aumentos do imposto aplicado à cerveja e às bebidas alcoólicas, bem como o alargamento do Imposto sobre o Tabaco (IT) ao rapé, tabaco de mascar, tabaco aquecido e cigarros eletrónicos, passando também a tributar charutos e cigarrilhas.

Os deputados aprovaram ainda na especialidade a eliminação do aumento do incentivo fiscal, entre os 60% e os 80%, para quem importasse da União Europeia carros usados com mais de seis anos.

Este alargamento do incentivo fiscal estava previsto inicialmente na proposta do OE2015, mas os partidos da maioria voltaram atrás na medida, propondo que fosse eliminada do documento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.