Progressos "lentos" de países em crise aborrecem Alemanha

O governo alemão está insatisfeito com os progressos "lentos" dos países afetados pela crise do euro na inversão do rumo, diz um esboço de um relatório económico de Berlim, hoje antecipado pelo semanário Der Spiegel.

De acordo com o documento, a que o título teve acesso e que deverá ser aprovado por completo em janeiro, Portugal, Grécia, Espanha e Irlanda iniciaram o "caminho correto" mas a sua "competitividade melhora lentamente", aparte Dublin.

Apesar dos quatro países em questão terem reduzido os custos com salários, um dos indicadores da referida competitividade, Berlim aponta que tal se tem ficado a dever "em grande parte à redução de emprego."

O esboço do relatório anual do governo alemão sobre a situação económica destaca também o aumento das exportações registado em Portugal, Espanha e Irlanda.

O abrandamento da procura interna na Grécia é motivo de preocupação para Berlim, é também referido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.