Prisa com prejuízos de 72,8 ME em 2010

O grupo de comunicação espanhol Prisa terminou 2010 com perdas líquidas de 72,87 milhões de euros, uma queda comparativamente aos 50,48 milhões de euros de lucros líquidos do ano anterior, informou o grupo em comunicado.

As receitas caíram 12 por cento para 2.822,73 milhões de euros, tendo o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingido os 596,33 milhões de euros, menos 4,4 por cento. No comunicado, a Prisa - que controla em Portugal a Media Capital - explica que apesar dos resultados, o grupo melhorou as suas margens, reduziu "consideravelmente" os seus custos gerais (menos 12,4 por cento) e os seus custos financeiros (menos 28,6 por cento).

A Prisa destaca que a queda de receitas inclui o impacto da saída do canal de televisão Cuatro do grupo -- pelo que a sua facturação não se contabiliza -- bem como as alterações no modelo de comercialização do futebol. Sem estes efeitos as receitas teriam diminuído 1,2 por cento. O grupo refere ter executado no ano passado a parte principal do seu plano de reestruturação financeira, tendo dotado mais de 130 milhões de euros para saneamento das contas, terminando o ano com "todas as suas áreas de negócio em lucros".

No âmbito desse plano, o grupo recebeu uma injecção de capital de cerca de dois mil milhões de euros, permitindo uma redução do endividamento que é agora de "4,92 vezes o EBTIDA". Em 2010 mudou igualmente a estrutura accionista do grupo, que conta agora com uma novo Conselho de Administração e maior peso internacional.

Os resultados de 2010 destacam ainda um aumento "constante das receitas procedentes de fora de Espanha" - que se aproximam dos 30 por cento, devido a um crescimento de 7,2 por cento registado em 2010. Na conta de resultados do ano passado, a Prisa obteve através da Media Capital uma facturação de 249,01 milhões de euros e um EBITDA de 48,04 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.