Preços da habitação subiram 4,9% no terceiro trimestre

A subida de preços, que foi inferior à do segundo trimestre (5,9%), foi mais acentuada nas casas novas (5,9%) do que nas existentes (4,3%).

O índice de preços da habitação registou uma subida homóloga de 4,9% no terceiro trimestre, pela quarta vez consecutiva, tendo sido transacionadas 20.454 casas, 77% das quais em segunda mão, revelou o instituto Nacional de Estatística (INE).

A subida de preços, que foi inferior à do segundo trimestre (5,9%), foi mais acentuada nas casas novas (5,9%) do que nas existentes (4,3%), embora o peso destas no volume total de transações (77,3%) tenha sido o mais elevado desde o início desta série, no primeiro trimestre de 2009.

O índice de preços apresentou uma queda de 0,4% entre o segundo e o terceiro trimestres, interrompendo um período de um ano de aumentos sucessivos no valor médio dos alojamentos transacionados, devido essencialmente à redução de 0,7% dos preços das casas em segunda mão, já que o das casas novas se manteve.

As taxas de variação no que respeita aos tipos de alojamento vendidos entre o segundo e o terceiro trimestres de 2014 tiveram uma evolução distinta: enquanto as casas novas registaram uma taxa de -6,5%, as casas em segunda mão intensificaram o ritmo de transações, que se fixou em 7,8% (6,7% no segundo trimestre).

Entre julho e setembro, a venda de casas aumentou 0,8% face ao mesmo período de 2013, a taxa de variação mais baixa desde o segundo trimestre de 2013, altura em que se interrompeu uma série de onze taxas negativas.

Em termos homólogos, os alojamentos novos apresentaram uma variação de -12,5%, enquanto os já existentes cresceram 5,5%.

O índice de preços da habitação mede a evolução dos preços dos alojamentos familiares adquiridos no mercado residencial num dado período.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.