Portugal paga metade dos juros de dívida

O Estado colocou hoje 1,25 mil milhões de euros em dívida a 3 e 12 meses, com a taxa de juro a descer para praticamente metade e a procura a superar a do último leilão semelhante realizado em novembro.

A Agência para a Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública -- IGCP colocou assim o valor máximo do montante indicativo que havia estipulado no anúncio deste leilão de dívida, os 1,25 mil milhões de euros.

Os resultados foram mais positivos que no leilão realizado a 20 de novembro do ano passado, o último para prazos semelhantes.

Portugal colocou 240 milhões de euros de dívida a três meses, pagando por tal uma taxa de juro média de 0,495%, menos de metade dos 1,076% que havia conseguido nos 300 milhões de euros de dívida a três meses que colocou em novembro passado.

A procura por este prazo foi também mais elevada, passando das três vezes a oferta que conseguiu em novembro para 4,71 vezes a oferta.

Na linha a 12 meses, Portugal colocou 1.010 milhões de euros e vai pagar uma taxa de juro média de 0,869%, contra os 1,493% que pagou por 700 milhões de euros que conseguiu neste prazo em novembro.

Também nesta linha a procura aumentou, passando das duas vezes a oferta para 2,26 vezes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.