Portugal é um dos países que vai trocar informação fiscal

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, representou hoje Portugal na cerimónia realizada em Berlim onde foi assinado o acordo multilateral para a troca automática de informação fiscal, anunciou hoje em comunicado o Ministério das Finanças.

"Este acordo vai possibilitar que as autoridades fiscais possam aceder de forma automática à identificação dos titulares, ao saldo e aos rendimentos das contas de depósitos ou de títulos em instituições financeiras no exterior e, deste modo, controlar e fiscalizar de forma mais eficaz o cumprimento das correspondentes obrigações fiscais respeitantes a estes rendimentos", lê-se no documento.

O Acordo Multilateral entre Autoridades Competentes, que possibilita a troca automática de informações relativas a contas detidas junto de instituições financeiras junta 50 países e jurisdições, entre as quais, as maiores potências mundiais, com exceção da Rússia.

"Ao abranger os principais centros financeiros mundiais e estabelecer que essa troca automática de informações deverá ocorrer já a partir de 2017, este acordo constitui um instrumento fundamental para um combate à fraude e evasão fiscais coordenado a nível global", realçou o gabinete tutelado por Maria Luís Albuquerque.

E vai contribuir para um sistema fiscal "mais transparente, mais justo e mais equitativo", reforçou.

Através deste acordo, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) passa a dispor de um novo instrumento com "efetividade transfronteiriça", sublinham as Finanças, acrescentando que o mesmo "visa garantir que cada contribuinte pague os impostos devidos, independentemente da geografia onde os mesmos são gerados".

Este mecanismo reforça "a capacidade da AT de detetar e atuar sobre situações de evasão fiscal, designadamente aquelas de elevada complexidade".

Segundo as informações disponíveis no portal do Ministério das Finanças da Alemanha, que foi o anfitrião desta iniciativa, o acordo de hoje foi assinado por mais de 30 ministros das Finanças e outros altos representantes dos governos envolvidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.