Podem desaparecer mais 4,5 milhões de postos de trabalho

Os países da Eurozona arriscam-se a perder mais 4,5 milhões de postos de trabalho nos próximos quatro anos, se forem mantidas as atuais políticas de austeridade, segundo a agência da Nações Unidas para o Trabalho (OIT). "Sem mudança de políticas - para lidar com a crise e recuperar a confiança e apoio dos trabalhadores e empresas - será difícil implementar as reformas necessárias para colocar a Zona Euro de novo num caminho de estabilidade e crescimento", refere a OTI no seu relatório.

Intitulado "Crise de Empregos na Zona Euro: Tendências e Respostas Políticas", o documento calcula que o número total de desempregados nestes países, em que Portugal se inclui, pode subir de 17,4 milhões para 22 milhões.

O relatório da OIT sublinha que as medidas de austeridade orçamental, quer nos países em dificuldades financeiras quer nos mais ricos, estão a prejudicar a criação de emprego.

"Num contexto macroeconómico deprimido, estas reformas [de austeridade] provavelmente levarão a um aumento do número de despedimentos sem qualquer impulso à criação de emprego, pelo menos até que a retoma económica ganhe ímpeto", lê-se no trabalho da OIT.

Portugal é citado, a par da Itália, como um dos países nos quais o desemprego jovem é mais elevado, embora este atinja percentagens mais preocupantes em Espanha e Grécia, onde se situa acima dos 50%.

Para a OIT, há "um crescendo de provas" de que pode estar em curso uma recessão prolongada dos mercados de trabalho na Europa, os quais ainda não recuperaram da crise global surgida em 2008.

A consequência, adianta o relatório, é um crescente risco de conflitos sociais e cada vez mais desconfiança em relação aos governos, sistema financeiro e instituições europeias.

Em relação ao início da crise, a Zona Euro tem hoje menos 3,5 milhões de postos de trabalho, segundo os números referidos no documento da OIT.

O emprego continua a cair em metade dos 17 países da Zona Euro, onde 17,4 milhões de pessoas procuram atualmente trabalho.

A solução para uma "retoma num quadro de moeda única", refere a agência da ONU, passa por uma estratégia de crescimento na Zona Euro "com a criação de emprego no centro", sendo abandonadas as abordagens de austeridade e encetadas reformas urgentes nos mercados financeiros.

O relatório adianta que há hoje "mais coordenação" entre os países europeus, após a declaração da cimeira da Zona Euro no final de junho e a proposta Ação para a Estabilidade, Crescimento, Empregos e o Pacote de Emprego da Comissão Europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.