Pires de Lima apela aos pilotos que vão trabalhar estes 10 dias

O Ministro da Economia pediu a "homens e mulheres habituados a tantas vezes tomarem decisões delicadas, que vão trabalhar" nos dias de greve.

O ministro da Economia, António Pires de Lima, reagiu esta noite à manutenção da greve dos pilotos da TAP reiterando que a paralisação terá "graves consequências" para a empresa e para o país. E apelou aos pilotos para, individualmente, não aderirem à greve

"Lamentamos profundamente esta decisão tão radical do sindicato dos pilotos", disse o ministro pedindo aos "homens e mulheres habituados a tantas vezes tomarem decisões delicadas", que "vão trabalhar estes 10 dias" de greve marcada pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil, que se inicia às 0 horas de amanhã.

"Portugal precisa e para a TAP este pode ser um momento decisivo", disse ainda o governante, garantindo não estar com estas palavras a fazer chantagem sobre quem concorda com a paralisação.

Pires de Lima reiterou, no entanto, que a manutenção da greve "terá efeitos muito negativos" na economia portuguesa, sobretudo no turismo, e também na "sustentabilidade económica da TAP, tal como a conhecemos". A cerca de três horas do início da paralisação, fez questão de dizer que ainda tem esperança de que esta não se realize.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.