Pilotos serão "os primeiros a encontrar emprego" se TAP tiver que reduzir atividade

A pouco mais de 24 horas do início da greve dos pilotos da TAP, o ministro da Economia volta a apelar ao bom-senso.

António Pires de Lima afirmou hoje que os pilotos da TAP serão "os primeiros a encontrar emprego" se a empresa "for obrigada a diminuir a atividade" e voltou a apelar ao bom senso, a 24 horas do início da greve.

Os pilotos da TAP marcaram uma greve, entre 01 e 10 de maio, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação no capital da empresa no âmbito da privatização.

"Se acontecer alguma coisa má na TAP, se a TAP for obrigada a diminuir a sua atividade fortemente, ou outra coisa qualquer, os primeiros a encontrar outro emprego são os pilotos", apontou António Pires de Lima, que falava aos jornalistas no final de uma visita às empresas portuguesas Colquímica e Eurocash que operam em Poznan, na Polónia.

Por isso, o ministro disse entender como "muito natural a preocupação de todos os outros trabalhadores da TAP", que hoje realizaram uma marcha silenciosa em Lisboa e apelaram à desconvocação da paralisação.

Pires de Lima apelou "ao bom-senso" e à "razoabilidade dos pilotos" e sublinhou que "no fundo as pessoas que trabalham na TAP sentem que algo muito grave se pode passar se esta greve for concretizada".

"Acredito que os pilotos, tendo ainda 24 horas pela frente, saberão ponderar. Não é um recuo que estou a pedir, apelo ao bom-senso, em nome da TAP, sobretudo em nome de todas as pessoas que trabalham na TAP e que são colegas dos pilotos e também em nome da economia portuguesa", apesar dos prejuízos "já serem enormes e muitos deles irrecuperáveis" face ao anúncio da greve.

"Se possível cancelem a greve", se ela for "para a frente será tremendo para a TAP", adiantou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.