Patrões e sindicatos exigem aumento do salário mínimo

As confederações patronais e sindicais vão insistir hoje com o Governo para que haja uma atualização do Salário Mínimo Nacional (SMN), com os patrões a defender a proteção de setores mais expostos à concorrência internacional.

Os parceiros estão hoje reunidos com o Governo em sede de Concertação Social, com a agenda das políticas de crescimento económico e do SMN em cima da mesa.

" entrada da reunião, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse que o encontro irá servir de "tira teimas" para perceber até que ponto os patrões estão dispostos a subir o SMN.

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, por sua vez, acredita que irá ser feita uma "discussão séria sobre o assunto".

Para Saraiva, há no entanto "setores que estão bem e outros que estão mal", sendo por isso necessário apoiar neste processo aqueles que estão "mais expostos à concorrência internacional", nomeadamente o têxtil.

"Não vejo que possamos fazer aumentos imediatamente, mas sim calendarizar metas, definir objetivos e monitorizar", defendeu.

Também o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, defendeu uma solução "faseada" mas considera existirem condições para "completar o acordo de 2006 (que previa a subida do SMN até aos 500 euros em 2011) e atualizar o SMN, pois "sem um incremento mínimo do consumo não há possibilidade de sair da crise económica".

Também o secretário geral da UGT, João Proença, defendeu a atualização "imediata" do SMN, referindo que o Governo tem estado de "má fé" nas negociações com a 'troika' (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu), uma vez que "nunca chegou a discutir este assunto" à mesa das negociações internacionais.

Ler mais

Exclusivos