Passe Social+ requerido por quase 4.200 pessoas

A adesão ao Passe Social+ totalizou nos primeiros quinze dias do projecto um total de 4.191 pedidos, revelou a Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa, acrescentando que nos primeiros dias de Setembro foram emitidos ou atualizados 500 cartões.

O balanço dos primeiros quinze dias da entrada em vigor desta modalidade, a que a agência Lusa teve hoje acesso, refere que no primeiro e segundo dias de Setembro foram emitidos ou actualizados 500 cartões Social+, "tendo a procura diária estabilizado nos dias úteis da segunda e terceira semanas do mês, com cerca de 320 cartões".

A Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa (AMTL) prevê que "este nível de procura se mantenha até Novembro".

De acordo com os dados hoje revelados, a maior procura situou-se no cartão Carris/Metro Lisboa (CA/ML Social+), com cerca de 37 por cento do total, seguindo-se o L1 Social+ (passe zona 1-Lisboa), com 17 por cento dos pedidos.

O passe L123 Social+ teve uma procura de 29 por cento, o L12 Social+ 17 por cento, enquanto os outros títulos Social+ tiveram uma percentagem residual de um por cento.

No que se refere à distribuição por operador de transporte, a maior fatia (43 por cento) coube ao Metropolitano de Lisboa, seguindo-se a Carris (28 por cento), a CP (20 por cento) e a Transtejo (20 por cento).

Os números indicam que cerca de 70 por cento da procura destes títulos respeita a agregados familiares de uma ou duas pessoas e que a procura dos agregados com cinco ou mais pessoas totalizam cinco por cento do total de pedidos.

A AMTL adianta que, para a maioria dos agregados familiares termina a época de férias em Setembro, altura em que se verifica habitualmente uma maior procura de transporte coletivo e afluência aos postos de atendimento.

Neste sentido, a AMTL recomenda que sejam feitos com a maior antecedência possível os pedidos dos passes intermodais, especialmente passes 4-18@escola.tp (para alunos entre os 4 e os e 18 anos), sub23@superior.tp (estudantes universitários) e Social +, para evitar aglomerações junto aos postos de atendimento.

A AMTL afirma que continuará, em conjunto com os operadores, a acompanhar o processo de implementação e divulgação do Passe Social+.

O Passe Social + foi criado pelo Governo no âmbito do Plano de Emergência Social com o objectivo de apoiar as famílias com rendimentos mais reduzidos.

A obtenção do acesso ao Passe Social+ é feita "mediante requerimento dos interessados que terá de ser acompanhado de cópia de cartão de identificação civil e exibição do original; cópia de cartão de identificação fiscal e exibição do original; última declaração de IRS do agregado familiar e respetiva Nota de Liquidação".

Caso o utente seja dispensado da apresentação da declaração de IRS, a AMTL indica que deve ser apresentada "a declaração dos serviços da Direcção-Geral das Contribuições e Impostos que ateste a dispensa de apresentação da declaração de IRS dos sujeitos passivos do agregado familiar e a declaração dos serviços da Segurança Social/Caixa Geral de Aposentações que ateste o valor da prestação social/pensão auferidos e composição do agregado familiar, com a respetiva identificação".

O Passe Social+ para a Carris/Metro Urbano custará 24,20 euros, para a Carris/Metro Rede valerá 28,05 euros, o passe L1 equivalerá a 33,00 euros, o L12 tem o custo de 39,50 euros, o L123 tem o preço de 44,90 euros, o 12 representa uma despesa de 24,05 euros, o 23 custará 18,50 euros e o 123 valerá 32,25 euros.

Exclusivos