Paris e Berlim preparam plano contra desemprego jovem

Paris e Berlim planeiam apresentar no fim do mês um plano comum contra o desemprego dos jovens que afeta a Europa, que prevê créditos para as empresas que contratem, noticia hoje o jornal alemão Rheinische Post.

A iniciativa comum do ministro do Emprego francês, Michel Sapin, e da homóloga alemã, Ursula von der Leyen, batizada como "New Deal for Europe" em referência ao "New Deal" de 1933 do Presidente norte-americano, Franklin Rooselvelt, deverá ser apresentado no dia 28 numa conferência em Paris organizada pelo investidor Nicolas Berggruen.

Os ministros das Finanças de França e Alemanha, Pierre Moscovici e Wolfgang Schäuble, respetivamente, também marcarão presença na conferência, segundo fontes dos governos e da organização citadas pelo Rheinische Post.

O plano prevê que o Banco Europeu de Investimento (BEI), presidido pelo antigo secretário de Estado alemão Werner Hoyer, atribua créditos às empresas que recrutem e formem jovens.

A União Europeia já alcançou um acordo para investir 6.000 milhões de euros até 2020 no combate ao desemprego dos jovens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.