Oposição fez mais de 400 propostas para alterar o OE. Maioria aprovou uma

A Assembleia da República aprovou apenas uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2015 das mais de 400 apresentadas pela oposição

A única proposta aprovada provinha do BE e tem em vista proteger as vítimas de violência doméstica com poucos rendimentos.

A proposta do Bloco de Esquerda (BE) pretende que "não sejam considerados, para efeitos da determinação do montante do Rendimento Social de Inserção (RSI) a vítimas de violência doméstica, que sejam beneficiárias do RSI que estejam em comprovado processo de autonomização, quaisquer rendimentos do trabalho de outros elementos do agregado familiar".

Ainda assim, a proposta do BE aprovada pela maioria difere da inicialmente apresentada pelos bloquistas, já que a redação final foi alterada pelas bancadas do PSD e do CDS-PP.

O BE pretendia que fossem excluídas também, dessa contabilização para o RSI, as pensões de alimentos atribuídas a menores, mas essa indicação não consta na proposta final aprovada.

A maioria não aprovou qualquer proposta de alteração apresentada pelo PS e pelo PCP, disseram deputados dos dois partidos aos jornalistas.

Na terça-feira, PSD e CDS-PP devem aprovar sozinhos, em votação final global, a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2015.

PS, PCP e BE devem votar contra o documento, repetindo a votação na generalidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.