Juros da dívida de Portugal a subir a dez anos

Os juros da dívida soberana de Portugal estavam hoje a descer a dois e cinco anos e a subir a dez anos em relação a sexta-feira.

Cerca das 08:45 de hoje, os juros a dez anos estavam a ser negociados a 6,025%, acima dos 6,023% do encerramento de sexta-feira.

No prazo de cinco anos, os juros negociavam a 4,894%, abaixo dos 4,897% do fecho de sexta-feira.

Os juros a dois anos também estavam a descer, a ser transacionados a 3,132%, um mínimo desde junho e depois de terem terminado a 3,136% na quinta-feira.

Os juros da dívida soberana mantiveram-se praticamente estáveis na sexta-feira depois de o Tribunal Constitucional (TC) ter chumbado na véspera a lei que estabelece o corte de 10% nas pensões de reforma, aposentação e invalidez e nas pensões de sobrevivência da função pública, cuja fiscalização foi pedida pelo Presidente da República, Cavaco Silva, em novembro.

A decisão, que pode provocar um buraco nas contas públicas de um valor que pode ir até 388 milhões de euros, foi tomada por unanimidade pelos juízes que a consideraram "uma medida avulsa" destinada apenas à consolidação orçamental pelo lado da despesa.

Entretanto, os juros da dívida soberana da Irlanda estavam a descer em todos os prazos para mínimos desde junho, depois de Dublin ter terminado oficialmente a 15 de dezembro o programa de ajustamento solicitado em 2010 à União Europeia (UE) e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), no valor de 85 mil milhões de euros.

Ao contrário, os juros de Itália estavam a subir em todos os prazos, bem como os de Espanha.

Os juros da dívida da Grécia a dez anos, os únicos disponíveis, estavam hoje a descer face a sexta-feira, depois de terem atingido a 7 de novembro o valor mínimo desde abril de 2010.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:45:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

23/12..... 3,132....4,894....6,025

20/12..... 3,136....4,897... 6,023

Grécia

23/12..... n disp...n disp.....8,521

20/12..... n disp...n disp.....8,543

Irlanda

23/12......0,857....2,047....3,426

20/12......0,863....2,058....3,428

Itália

23/12......1,229.....2,723........4,145

20/12......1,201.....2,700....4,122

Espanha

23/12......1,434....2,767....4,166

20/12......1,404....2,731....4,143

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.