Juros da dívida de Portugal a dez anos renovam mínimos

Os juros da dívida soberana de Portugal estavam hoje a subir a cinco anos e a descer a dois e dez anos e neste último prazo para mínimos desde fevereiro de 2006.

Às 08:35 de hoje, os juros a dez anos estavam a 3,572%, um mínimo desde fevereiro de 2006, depois de terem terminado a 3,573% na quarta-feira.

No prazo de dois anos, os juros da dívida estavam a descer para 1,076%, depois de terem fechado a 1,078% na quarta-feira e de terem descido na terça-feira até aos 1,061%, um mínimo de sempre.

A cinco anos, os juros estavam a 2,376%, acima dos 2,365% do fecho de quarta-feira, um mínimo de sempre.

A 04 de maio, numa comunicação ao país transmitida pelas televisões, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, anunciou que Portugal vai deixar, a 17 de maio, o programa de ajustamento, no valor de 78 mil milhões de euros, que esteve em vigor nos últimos três anos, sem qualquer programa cautelar.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam hoje estabilizados a dois anos e a subir nos prazos mais longos.

Dublin terminou oficialmente, a 15 de dezembro passado, o programa de ajustamento solicitado em 2010 à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), no valor de 85 mil milhões de euros.

Os juros de Itália estavam a descer a dois anos e a subir a cinco e dez anos, enquanto os de Espanha estavam a subir em todos os prazos.

Os juros da dívida da Grécia a 10 anos, o único prazo disponível daquele país, estavam a subir.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:35:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

08/05..... 1,076....2,376....3,572

07/05..... 1,078....2,365... 3,573

Grécia

08/05..... n disp...n disp.....6,138

07/05..... n disp...n disp.....6,136

Irlanda

08/05......0,454....1,064....2,739

07/05......0,454....1,060....2,734

Itália

09/05......0,778......1,734......3,023

07/05......0,780......1,719....3,015

Espanha

08/05......0,731....1,649....2,983

07/05......0,727....1,630....2,969

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

MC // JPS

Lusa/Fim

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.