Juros da dívida a subir nos prazos mais longos

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a descer a dois anos e a subir a cinco e 10 anos, na véspera de Portugal abandonar oficialmente o programa de ajustamento sem qualquer programa cautelar.

Às 08:50 de hoje, os juros a 10 anos estavam a 3,734%, depois de terem terminado a 3,699% na quinta-feira e de terem descido, a 8 de maio, até aos 3,460%, um mínimo desde fevereiro de 2006.

A cinco anos, os juros estavam a subir para 2,608%, contra 2,566% do encerramento de quinta-feira e o mínimo de sempre de 2,274% a 8 de maio.

No prazo dos dois anos, os juros da dívida estavam a descer para 1,343%, depois de terem fechado a 1,370% na quinta-feira e de terem descido até ao mínimo de sempre, de 1,047%, a 8 de maio.

No sábado, Portugal abandona oficialmente o programa de ajustamento sem qualquer programa cautelar.

O programa de ajustamento solicitado à 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central europeu e Fundo Monetário Internacional) no valor de 78 mil milhões de euros esteve em vigor durante cerca de três anos.

O anúncio da "saída limpa" foi feito pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, a 04 de maio numa comunicação ao país transmitida pelas televisões.

Entretanto, a 9 de maio, a agência de notação Standard & Poor's anunciou ter passado a perspetiva da classificação da dívida portuguesa de "negativa" para "estável", alegando que a economia "ultrapassou as expetativas".

A agência de notação manteve, contudo, o 'rating' de Portugal em "BB", o que significa que continua a considerar como "lixo" a capacidade de Portugal pagar as suas dívidas.

No mesmo dia, a Moody's anunciou a subida da classificação da dívida soberana portuguesa em um nível, de "Ba2" para "Ba3", salientando que "a situação orçamental de Portugal melhorou mais rapidamente do que o inicialmente previsto".

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam hoje a subir em todos os prazos.

Dublin terminou oficialmente, a 15 de dezembro passado, o programa de ajustamento solicitado em 2010 à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), no valor de 85 mil milhões de euros.

Os juros da Itália estavam a descer a dois e cinco anos e a subir a dez anos, enquanto os de Espanha estavam a descer a dois e dez anos e a subir a cinco anos.

Os juros da dívida da Grécia a 10 anos, o único prazo disponível daquele país, estavam a subir.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:50:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

16/05..... 1,343....2,608....3,734

15/05..... 1,370....2,566... 3,699

Grécia

16/05..... n disp...n disp.....6,822

15/05..... n disp...n disp.....6,814

Irlanda

16/05......0,518....1,341....2,740

15/05......0,484....1,283....2,694

Itália

16/05......0,900......1,802......3,106

15/05......0,914......1,804....3,103

Espanha

16/05......0,824....1,661....3,005

15/05......0,825....1,658....3,020

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

MC // PMC

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.