Juros da dívida a subir em todos os prazos

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subir em todos os prazos em relação a segunda-feira, exatamente um mês depois de Portugal ter abandonado oficialmente o programa de ajustamento.

Às 08:30 de hoje, os juros a 10 anos estavam a 3,437%, depois de terem terminado a 3,418% na segunda-feira e de terem descido até aos 3,323% a 11 de junho, um mínimo desde outubro de 2005.

No prazo a cinco anos, os juros estavam a subir para 2,316%, contra 2,271% no encerramento de segunda-feira e o mínimo de sempre de 2,102% a 09 de junho.

No prazo de dois anos, os juros da dívida também estavam a subir, para 0,918%, depois de terem fechado a 0,890% na segunda-feira.

Há um mês, a 16 de maio, os juros de Portugal a dois, cinco e dez anos terminaram respetivamente a 1,365%, 2,628% e 3,741%.

Assim, os juros da dívida portuguesa a dois, cinco e dez anos desceram hoje respetivamente 0,447,0,312 e 0,304 pontos percentuais face a 16 de maio.

A 17 de maio, sábado, Portugal abandonou oficialmente o resgate sem qualquer programa cautelar, depois de o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ter anunciado a "saída limpa" a 04 de maio.

O programa de ajustamento solicitado à 'troika'(Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), no valor de 78 mil milhões de euros, esteve em vigor durante cerca de três anos.

Entretanto, além de novas medidas de austeridade para compensar as recentemente chumbadas pelo Tribunal Constitucional (TC), o Governo anunciou na quinta-feira passada que prescindiu do último cheque do empréstimo da 'troika'.

Na quinta-feira, o Governo aprovou uma proposta de lei para reintroduzir temporariamente os cortes entre 3,5% e 10% aplicados aos salários do setor público superiores a 1.500 euros introduzidos em 2011 e que vigoraram até 2013.

A 11 de junho, Portugal colocou 975 milhões de euros em Obrigações de Tesouro (OT) a dez anos à taxa de juro média de 3,2524%, menos 0,3228 pontos percentuais do que no anterior leilão comparável de abril.

O montante colocado neste primeiro leilão desde a saída da 'troika' foi superior aos 750 milhões de euros, que correspondiam ao montante máximo indicativo e a procura atingiu 2.372 milhões de euros, 2,43 vezes superior ao montante colocado.

A 05 de junho, o Banco Central Europeu (BCE) cortou a taxa de juro diretora em 0,10 pontos percentuais para o novo mínimo histórico de 0,15% e anunciou a realização de duas injeções de liquidez de longo prazo (quatro anos), em setembro e dezembro deste ano, no valor de 400 mil milhões de euros.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam hoje a descer a dois anos e a subir a cinco e dez anos. Dublin terminou oficialmente, a 15 de dezembro passado, o programa de ajustamento solicitado em 2010 à 'troika', no valor de 85 mil milhões de euros.

Os juros de Itália e de Espanha estavam a subir em todos os prazos.

Os juros da dívida da Grécia a 10 anos, o único prazo disponível daquele país, também estavam a subir.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:30:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

17/06..... 0,918......2,316....3,437

16/06..... 0,890......2,271....3,418

Grécia

17/06..... n disp...n disp.....5,868

16/06..... n disp...n disp.....5,867

Irlanda

17/06......0,302......0,928....2,405

16/06......0,303......0,919....2,396

Itália

17/06......0,596......1,446......2,795

16/06......0,577......1,432....2,787

Espanha

17/06......0,573......1,356....2,686

16/06......0,564......1,335....2,672

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.