Juros da dívida a subir a 2 e 5 anos. Descem a 10

Os juros da dívida soberana de Portugal estavam hoje a subir a dois e cinco anos e a descer a dez anos em relação a quarta-feira.

Cerca das 08:55 de hoje, os juros a dez anos estavam a ser negociados a 5,411%, abaixo dos 5,412% do encerramento de quarta-feira, um mínimo desde maio de 2013.

No prazo de cinco anos, os juros negociavam-se a 4,095%, acima dos 4,088% do encerramento de quarta-feira, um mínimo desde maio de 2013.

Os juros a dois anos também estavam a subir, a ser transacionados a 2,109%, depois de terem terminado a 2,096% na quarta-feira, um mínimo desde outubro de 2010.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam a descer a dois e dez anos e a subir a cinco ano, mas em torno de mínimos desde junho.

Dublin terminou oficialmente a 15 de dezembro o programa de ajustamento solicitado em 2010 à União Europeia (UE) e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), no valor de 85 mil milhões de euros.

Os juros de Itália estavam a subir a dois e cinco anos e a descer a dez anos, enquanto os de Espanha estavam a descer em todos os prazos.

Os juros da dívida da Grécia a dez anos, os únicos disponíveis, estavam hoje a subir depois de terem fechado na quarta-feira em mínimos desde junho de 2010.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:55:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

09/01..... 2,109....4,095....5,411

08/01..... 2,096....4,088... 5,412

Grécia

09/01..... n disp...n disp.....7,757

08/01..... n disp...n disp.....7,710

Irlanda

09/01......0,817....1,860....3,540

08/01......0,823....1,859....3,541

Itália

09/01......1,012.....2,456........3,881

08/01......1,009.....2,455....3,884

Espanha

09/01......1,029....2,313....3,773

08/01......1,038....2,326....3,787

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.