Juros da dívida a descer a dois e cinco anos

Os juros da dívida soberana de Portugal estavam hoje a descer a dois e cinco anos e estabilizados a dez anos, mas acima dos 4,5% e depois de terem atingido na terça-feira mínimos desde abril de 2010.

Às 08:50 de hoje, os juros a dez anos estavam a estabilizados em 4,511%, o mesmo valor a que terminaram na quarta-feira, depois de terem terminado na terça-feira a 4,394%, abaixo da barreira de 4,5% pela segunda vez desde abril de 2010.

No prazo de cinco anos, os juros estavam a descer, a negociarem a 3,496%, contra 3,503% na quarta-feira e depois de terem terminado a 3,333% na terça-feira, um mínimo desde maio de 2010.

No prazo de dois anos, os juros estavam a descer, negociados a 1,512%, contra 1,518% na quarta-feira e depois de terem fechado a 1,426% na terça-feira, um mínimo desde janeiro de 2010.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam hoje a descer em todos os prazos.

Dublin terminou oficialmente, a 15 de dezembro passado, o programa de ajustamento solicitado em 2010 à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), no valor de 85 mil milhões de euros.

Os juros de Itália estavam a descer em todos os prazos, bem como os de Espanha.

Os juros da dívida da Grécia a dez anos, os únicos disponíveis, estavam a subir.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.