Juros da dívida a 10 anos caem para mínimos de sempre

Os juros descem a todos os prazos e atingem valores mínimos históricos no prazo mais longo.

Os juros da dívida de Portugal estavam hoje a descer em todos os prazos em relação a quarta-feira, no prazo mais longo para mínimos de sempre.

Hoje, cerca das 8.45 de Lisboa, os juros da dívida portuguesa a 10 anos estavam a cair para 2,908%, abaixo dos 3%, depois de terem terminado na quinta-feira nos 2,918%, um mínimo de sempre.

A cinco anos, os juros também estavam a descer para 1,570%, contra 1,576% na quinta-feira e depois de terem descido até 1,562%, a 25 de novembro deste ano.

No mesmo sentido, os juros a dois anos estavam a descer, para 0,514%, contra 0,517% na quinta-feira e depois de terem descido até ao mínimo de 0,437%, a 25 de setembro último.

A 17 de maio de 2014, Portugal abandonou oficialmente o resgate sem qualquer programa cautelar.

O programa de ajustamento solicitado por Portugal à 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), no valor de 78 mil milhões de euros, esteve em vigor durante cerca de três anos.

A 06 de novembro, o Banco Central Europeu (BCE) manteve inalteradas as taxas de juro, mas o presidente da instituição, Mario Draghi, deixou antever que a entidade monetária se prepara para comprar dívida soberana em grandes quantidades, caso as medidas adotadas até agora não sejam suficientes e as perspetivas da inflação piorem.

A taxa de juro diretora está no mínimo histórico de 0,05% desde 04 de setembro passado, quando além de descer a taxa, o BCE anunciou que iria lançar um programa de compra de dívida privada para apoiar o mercado de crédito e dinamizar a economia da zona euro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.