João Ferreira do Amaral defende saída do euro

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, e o economista João Ferreira do Amaral defenderam hoje o abandono da moeda única europeia por parte de Portugal para evitar "o diretório" e "domínio" alemães.

"Em termos de saída, não há outra hipótese mais desejável que uma saída negociada. A nossa debilidade neste momento é total. Bastaria pensar que o Banco Central Europeu cortava o financiamento aos bancos. A nossa economia entrava em colapso", alertou Ferreira do Amaral no debate "O Euro e a Dívida", num hotel de Lisboa, precisando ser necessário um "poder político forte" em Portugal para o fazer.

O também historiador sublinhou as "margens de negociação importantes" em relação ao "domínio da Alemanha, que deu um passo com esta crise do Chipre nesse sentido", transmitindo a ideia aos investidores de que não devem "por dinheiro nos bancos dos países periféricos", mas antes nos germânicos, "que estão bem".

"Nós, país, corremos hoje um risco enorme. Se a situação na zona Euro se vier a acalmar, poderá significar a desvalorização do dólar e uma valorização do Euro para 1,5 ou 1,6 dólares. Se o Euro passar para esse nível, significa que a nossa estrutura produtiva será praticamente varrida. É uma espada sobre a nossa cabeça sobre a qual não temos qualquer capacidade de intervenção", explicou ainda.

"Os últimos acontecimentos em Chipre, com as medidas de confisco impostas ao povo cipriota, revelam bem a natureza espoliadora deste projeto. Aos trabalhadores e ao povo de Chipre, mais uma vez reafirmamos a nossa solidariedade e ao povo português a garantia de que jamais aceitaremos tanto o confisco dos salários e dos subsídios, como não aceitaremos o confisco dos depósitos das poupanças do povo", disse, por seu lado, Jerónimo de Sousa

O líder do PCP reforçaria que "quem vai arrecadar esse roubo são os mesmos do costume - o capital financeiro, talvez mais os alemães", antes de ser conhecida a notícia de que o parlamento cipriota rejeitou o plano de resgate dos credores internacionais, prevendo um imposto sobre depósitos bancários superiores a 20 mil euros.

Jerónimo de Sousa ressalvou que "afirmar, de forma estrita e seca, a saída do euro, a modos de salvação milagrosa do país, sem o quadro de políticas que a deve enquadrar e acompanhar, é uma abordagem redutora do problema".

"Ninguém tem dúvidas de que, no Euro ou fora do Euro, quais os interesses de classe seriam defendidos e protegidos por um poder político de direita, ao serviço do capital financeiro dos monopólios, submetido ao diretório e à Alemanha", criticou, reiterando a necessidade de "renegociar a dívida em todos os seus termos: prazos, juros e montantes, recusando o garrote".

O antigo líder parlamentar do PCP Octávio Teixeira, também economista, lembrou que "a saída do euro implica ter um banco central próprio, com toda a sua capacidade de atuação".

"A saída do Euro e desvalorização da moeda [nacional], implica o aumento das exportações e a redução das importações, substituídas por produção nacional", defendeu, como alternativa ao atual "corte nos salários", acrescentando ainda que "se o Euro acabar, o marco [alemão] valoriza-se 20 ou 30 por cento e a economia alemã sofrerá muito com isso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...