Itália aprovará plano de austeridade até ao Natal

O Governo italiano espera ter aprovado até ao Natal o seu plano de austeridade, que prevê um "grande corte" no sistema de pensões e um novo imposto sobre imóveis e tem como objectivo equilibrar as contas públicas até 2013.

"Esperamos que na próxima semana [o decreto presidencial] esteja aprovado para ir ao Senado [e ser aprovado como lei], a intenção é para completar o processo antes do Natal, por isso em dez dias estará tudo resolvido, penso eu", afirmou à agência Lusa o ministro da Defesa italiano, almirante Di Paola. O ex-chefe do Comité Militar da NATO, que falava à Lusa em Nouakchott, Mauritânia, referiu que este decreto do presidente Mario Monti "precisa de passar pelo Parlamento" necessariamente e que "talvez surjam algumas alterações pedidas pelos partidos", mas que "a estrutura fundamental vai ser aprovada".

"Precisa de o ser, é totalmente necessária. Este é um pacote de austeridade muito duro, de que ninguém gosta, mas é como um medicamento, quando tem de ser, tem de ser", acrescentou Giampaolo Di Paola. O almirante e ministro da Defesa disse que o Governo está "confiante" na aprovação das medidas, até porque esta nova solução governativa "tem o apoio de 80 por cento do Parlamento". "É uma situação única, é muito rara, mas acontece por esta necessidade de emergência", declarou, notando que está em causa um "compromisso com os italianos e com a União Europeia".

Di Paola frisou que a Itália não pediu qualquer empréstimo às organizações internacionais e que se vai centrar na aplicação do programa de austeridade que assenta em "três pilares essenciais - um corte muito substancial no sistema de pensões, um programa de reanimação da economia e um novo e abrangente imposto sobre imóveis. "Temos de equilibrar as contas públicas até 2013, é um período muito curto mas vamos fazê-lo, estou totalmente confiante nisso", concluiu.

Ler mais

Exclusivos