Inspeção-geral de Finanças vai abrir inquérito sobre funcionária que integrará lista 'Swissleaks'

A TVI noticiou na quinta-feira à noite que uma funcionária da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) teria cerca de 2,5 milhões de euros em duas contas.

A Inspeção-geral de Finanças vai abrir um inquérito sobre uma funcionária da entidade que integrará a lista 'Swissleaks', que reúne mais de 600 contribuintes portugueses que, alegadamente, abriram contas no banco HSBC na Suíça para fugir ao fisco.

A TVI noticiou na quinta-feira à noite que uma funcionária da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) teria cerca de 2,5 milhões de euros em duas contas, em conjunto com dois familiares, na filial suíça do HSBC.

Às contas estarão associadas duas sociedades 'offshore' com sede nas ilhas Virgens britânicas (território britânico nas Caraíbas): a Bordel Investment Holdings Limited e a Pernell Enterprises Limited.

Numa nota divulgada na página na Internet da IGF datada de quinta-feira, o gabinete de imprensa afirma que "apesar de se tratar de um assunto do foro familiar sem relação com a sua atividade profissional", a direção, que é encabeçada pelo inspetor-geral, Vitor Braz, "determinou de imediato a abertura de um inquérito".

O inquérito será da responsabilidade de uma "entidade externa e independente".

No início de fevereiro, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) divulgou documentos confidenciais sobre o ramo suíço do banco britânico HSBC Private Bank, revelando alegados esquemas de evasão fiscal.

Os contribuintes portugueses totalizavam de 969 milhões de dólares (855,8 milhões de euros) depositados no HSBC Private Bank, distribuídos por 778 contas bancárias de 611 clientes.

No fim de fevereiro, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, anunciou que a administração fiscal já tinha recebido a lista com os contribuintes portugueses e que seria cruzada com informação da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) já detém sobre os contribuintes portugueses com contas bancárias na Suíça e que seria objeto de "todos os procedimentos previstos na lei".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.