Greve dos pilotos é ameaça tremenda à viabilidade da TAP, diz ministro da Economia

António Pires de Lima voltou hoje a apelar ao "bom senso" dos pilotos, considerando que o impacto da greve "pode ser extraordinariamente duro".

O ministro da Economia classificou hoje a greve de dez dias dos pilotos da TAP como uma ameaça tremenda à viabilidade e sustentabilidade da transportadora aérea e reafirmou manter o plano de privatização da empresa.

"Volto a apelar ao bom senso dos pilotos" para que recuem na intenção, anunciada quinta-feira, de fazerem uma greve de dez dias, disse Pires de Lima à saída de um encontro, em Lisboa, promovido pelo Instituto para a Promoção e Desenvolvimento da América Latina (IPDAL).

O ministro disse ainda que o impacto da greve "pode ser extraordinariamente duro" quanto à sustentabilidade da empresa e reforçou este temor dizendo que esta forma de luta é uma "ameaça à sustentabilidade [da empresa] tremenda".

Pires de Lima acusou os pilotos de não cumprirem a sua palavra, ao reivindicarem exigências que já tinham ficado afastadas do acordo assinado em finais do ano passado e precisou que a cedência de capital da TAP aos pilotos - uma das razões da greve - foi considerada nula pela Procuradoria-Geral da Republica (PGR) e que "o Governo não pode negociar algo que a PGR disse por escrito que não se pode fazer".

Quanto à questão das diuturnidades e da sua retroatividade, o segundo motivo dos pilotos para a greve, o ministro afirmou: "Não se pensou ou escreveu [no acordo firmado em dezembro do ano passado] que as diuturnidades teriam efeitos retroativos a cinco anos", afirmou, acusando os pilotos de procurarem justificar a greve com questões para as quais já tinham recebido resposta negativa nas negociações do acordo que acabou por ser assinado.

A greve dos pilotos foi aprovada na quinta-feira em assembleia na qual participaram cerca de 500 pilotos da TAP, que mandataram a direção do seu sindicato a emitir um pré-aviso de greve dentro de um dia.

No entanto, os pilotos manifestam no documento "a sua disponibilidade para desconvocar a greve no exato momento em que sejam assegurados de forma inequívoca os direitos" que consideram não estar a ser respeitados.

Num comunicado emitido na semana passada, a direção do SPAC informou que "o processo negocial entre o SPAC, a TAP e a PGA, no âmbito do compromisso subsidiário do acordo ratificado com o Governo em 23 de dezembro de 2014 chegou a um impasse insanável, por motivos estritamente imputáveis à TAP, à PGA e ao Governo".

Em causa, estão as pretensões dos pilotos sobre as diuturnidades e sobre a obtenção de 20% do capital da companhia aérea, aquando da sua privatização, que deverá estar concluída até ao final desta legislatura.

Os candidatos à compra do grupo TAP têm que entregar as propostas vinculativas até às 17:00 de 15 de maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?