Governo discute desemprego jovem com parceiros sociais ainda este mês

O ministro da Segurança Social adiantou hoje que ainda este mês vai discutir com a concertação social a estratégia de combate ao desemprego jovem, defendendo que este é "um drama europeu que carece de uma resposta europeia".

Numa declaração escrita à agência Lusa, Pedro Mota Soares, que hoje participa com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, na segunda conferência europeia sobre o emprego jovem, em Paris, refere ter "assegurado 300 milhões de euros para os próximos dois anos", no âmbito do programa europeu "garantia para a juventude".

"A principal prioridade à qual devemos dar resposta é ao fenómeno do desemprego um drama europeu que carece de uma resposta europeia. Portugal está muito empenhado na criação de uma resposta concertada a nível europeu, sobretudo no desemprego jovem", afirma o governante referindo que através do programa de garantia para a juventude, o executivo quer assegurar que "qualquer jovem tenha acesso a um posto de trabalho, estágio ou à continuação dos seus estudos ou formação em pelo menos quatro meses".

O ministro da Solidariedade e Segurança Social adianta ainda que esta matéria será discutida ainda este mês diretamente com os parceiros sociais.

"A presença de Portugal nesta reunião [em Paris] permite reafirmar estas preocupações e torna-se vital para a prossecução desta estratégia", acrescenta Mota Soares.

Nesta segunda conferência europeia sobre o emprego jovem em Paris, a primeira decorreu em julho, em Berlim, deverão estar presentes 24 chefes de Estado e Governo europeus e os presidentes da Comissão Europeia, do Conselho Europeu, do Parlamento Europeu e do Banco Europeu de Investimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.