Governo anuncia nova Direcção Geral do Património Cultural

O Governo anunciou hoje a criação da Direcção Geral do Património Cultural, que integrará os institutos dos museus, património arquitectónico e arqueológico - IGESPAR e IMC - bem como a Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo.

No âmbito do Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado (PREMAC), hoje anunciado em Conselho de Ministros, a tutela decidiu ainda fundir a Direcção Geral de Arquivos com a Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas.

O Governo pretende efectuar uma redução de 38 por cento nas estruturas orgânicas da Administração Central, tendo anunciado estes exemplos na área da Cultura.

A Direcção Geral de Arquivos, que coordena o sistema nacional de arquivos, será fundida com a Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas, o organismo que se destina à promoção do livro, da leitura, das bibliotecas e dos autores portugueses.

É criado um novo organismo - a Direcção Geral do Património Cultural - que agregará os serviços do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) e do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC).

Desta direcção geral fará também parte a Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo, não tendo o Governo feito qualquer referência sobre o futuro das restantes quatro direcções regionais.

Esta é a segunda reestruturação efectuada em menos de cinco anos na área do património e museus, uma vez que o IGESPAR e o IMC foram criados em 2007 no âmbito do PRACE - Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado.

Na altura, o IGESPAR resultou da fusão do Instituto Português do Património Arquitectónico e do Instituto Português de Arqueologia, incorporando ainda parte das atribuições da extinta Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais.

O IMC, que tutela 28 museus e cinco palácios dispersos pelo país, reunia os anteriores Instituto Português de Museus, Instituto Português de Conservação e Restauro e ainda a Rede Portuguesa de Museus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...