Gasóleo 5% mais barato no terceiro trimestre em termos homólogos

O preço médio de venda ao público do gasóleo baixou 5,2% no terceiro trimestre deste ano em relação ao período homólogo de 2013, para 1,314 euros, diz a Apetro.

De acordo com a Associação Portuguesa de Empresa Petrolíferas (Apetro), o preço final da gasolina também registou uma queda entre julho e setembro face ao mesmo período do ano anterior, de cerca de 2,2%, para os 1,555 euros.

Ainda assim, a descida nos preços médios de venda ao público foi inferior à queda dos preços médios antes de impostos, de 7,9% no gasóleo rodoviário e de 4,2% na gasolina 95 (a mais consumida), segundo a informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no terceiro trimestre.

Além da queda das cotações nos mercados internacionais, esta descida do preço do gasóleo é atribuída à diminuição dos custos da atividade de armazenagem, distribuição e comercialização e do custo de incorporação do biodiesel.

"O elemento com maior peso no preço final de venda ao público dos combustíveis líquidos rodoviários permanece a carga fiscal", destaca a associação que reúne as principais petrolíferas, contrapondo que no caso do GPL Auto existe "uma distribuição quase equitativa entre o peso de cada um dos componentes do preço".

De acordo com o boletim da Apetro, o consumo de gasolina e de gasóleo rodoviário aumentou 10,4% e 5,8%, respetivamente, no terceiro trimestre deste ano face aos três meses anteriores, sobretudo devido a efeitos de sazonalidade.

Em termos acumulados, houve um aumento do consumo em todos os combustíveis, à exceção da gasolina.

Em relação ao preço médio antes de impostos, Portugal apresenta na gasolina 95 preços em linha com a média dos 18 países da zona euro e cerca de três cêntimos por litro abaixo dos praticados em Espanha. Já no gasóleo os preços estão cerca de um cêntimo por litro acima da média e cerca de dois cêntimos abaixo dos do país vizinho.

o preço de venda ao público da gasolina está cerca de quatro cêntimos abaixo da média da zona euro, mas 14 cêntimos acima do praticado em Espanha. No caso do gasóleo, o preço final encontra-se sete cêntimos por litro abaixo da média da zona euro e um cêntimo abaixo dos de Espanha.

A partir de sexta-feira, os portugueses vão ter preços de referência dos combustíveis, o que permitirá avaliar os valores praticados antes de escolherem o local onde abastecer.

Os preços de referência dos combustíveis começarão a ser publicados na 2.ª série do Diário da República e na página na Internet da Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC).

O Governo explicou a decisão de fixar preços de referência para os combustíveis com a possibilidade de "escrutinar os valores praticados" e "permitir verificar, concelho a concelho, as situações que mais se afastam desses valores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.