Gás natural aumenta 3,9% em julho

O preço do gás natural para os consumidores domésticos e empresas que se encontram no mercado regulado vai aumentar 3,9% a partir de 1 de julho, podendo ser revisto no último trimestre do ano.

De acordo com a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), as tarifas transitórias propostas a partir de julho implicam, para os orçamentos familiares característicos, um aumento de cerca de 39 ou 80 cêntimos numa fatura média mensal de cerca de 13 ou 25 euros, respetivamente, correspondentes, a título de exemplo, a agregados familiares de duas ou quatro pessoas.

Já a tarifa social do gás natural, vai ter um aumento anual - entre julho de 2013 e junho de 2014, de 0,9%, o que representa um acréscimo de 12 cêntimos na fatura média mensal de 13 euros.

A variação proposta da tarifa do gás natural resulta dos custos de aprovisionamento de energia, dos custos de acesso às infraestruturas reguladas e da quebra não antecipada no consumo de gás natural, explica em comunicado o regulador do mercado.

Esta variação é aplicada aos consumidores que permanecem no comercializador de último recurso, isto é, que ainda não estão no mercado liberalizado, sendo que a proposta condiciona as ofertas de preço dos comercializadores de mercado e, portanto, todos os clientes finais mesmo que tenham contrato com um comercializador livre.

À semelhança do que acontece com a eletricidade, a tarifa transitória do gás natural (à exceção da tarifa social) é revista trimestralmente.

Segundo a ERSE, no final de 2012, cerca de 11% dos clientes domésticos e pequenas empresas já tinha mudado de comercializador, enquanto no segmento industrial com consumos acima de 10 000 metros cúbicos cerca de 65% dos clientes já tinham optado pelo mercado liberalizado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.