Galp garante que cumpre todas as obrigações

A Galp Energia disse hoje estranhar o comunicado do regulador de energia, ERSE, que anunciou uma auditoria à empresa por falta de informação no mercado de gás, e garantiu que cumpre todas as obrigações.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) disse hoje, em comunicado, que determinou "a realização imediata de uma auditoria independente às empresas de distribuição de gás natural do grupo Galp e à Tagusgás", no sentido de "avaliar os critérios e as circunstâncias em que têm sido apurados, nomeadamente até final do ano de 2011, os valores de consumo e número de clientes em cada uma das suas redes de distribuição".

Também em comunicado, a Galp Energia adianta que "as questões levantadas pela ERSE prendem-se com a coerência estatística entre os dados de 2012, ano do arranque em pleno do mercado liberalizado, e o período anterior, em que o mercado livre de gás natural era ainda incipiente, abrangendo menos de cinco mil clientes, um universo reduzido face aos mais de 100 mil atuais".

O regulador de energia "tem já em seu poder a informação mais rigorosa e detalhada disponível relativa aos valores de consumo e número de clientes das empresas distribuidoras de gás natural do grupo Galp Energia no ano de 2012, como aliás a própria ERSE reconheceu em reuniões com representantes da Galp", acrescenta a empresa.

Salienta que os dados em causa "não são diretamente comparáveis devido a ajustamentos o processamento da informação de mercado" e sublinha que nos contactos mantidos com a ERSE "tinha já ficado acordado que os dados de 2011 e anteriores seriam recalculados de forma a serem comparáveis com os dados atuais".

Por isso, a "Galp Energia estranha a emissão de um comunicado de imprensa sobre um assunto que tem vindo a ser discutido entre a empresa e o regulador" e garante que "cumpre as obrigações decorrentes do contrato de concessão do serviço de distribuição de gás natural e dos restantes regulamentos do setor, nomeadamente no que se refere à prestação de informação ao mercado e à entidade reguladora".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.