Freitas do Amaral diz que regresso aos mercados é bom para o país mas não é mérito do Governo

O ex-ministro Freitas do Amaral disse hoje que o resultado obtido por Portugal no regresso aos mercados é bom para a credibilidade do país mas não é mérito do Governo.

"Ontem fez-se um grande festejo por Portugal ter regressado aos mercados. É bom para o país porque é o início de uma recuperação da credibilidade do Estado nos mercados financeiros internacionais mas não é mérito deste governo, o mérito é do senhor Mario Draghi", presidente do Banco Central Europeu.

Freitas do Amaral sublinhou que em agosto passado o presidente do BCE "comprometeu-se a defender o euro fosse como fosse", declarações que permitiram aos mercados "recuperar a confiança" provocando uma baixa dos juros.

"Eu acho que foi uma boa decisão aproveitar a oportunidade mas isto não tem nada a ver com os méritos do Governo", reforçou, frisando ainda que "é bom para a credibilidade da República portuguesa mas não se refletirá em nenhuma melhoria da situação de vida dos portugueses".

Sobre os dados da execução orçamental de 2012, conhecidos na quarta-feira, Freitas do Amaral considerou que o Governo recorreu a "um truque" com o recurso a receitas extraordinárias da venda da ANA.

"O que está no memorando é que a correção do défice se faria sem recurso a receitas extraordinárias. Este truque que ainda não foi devidamente sublinhado é que permite cumprir o défice. Se não fosse isso teríamos um défice superior aos cinco por cento que estavam prometidos", disse o fundador do CDS-PP.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.