Expansão da Leica Portugal serve de farol para outros investimentos

O presidente da AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal considerou hoje que o investimento de expansão da Leica, que hoje inaugura as novas instalações em Vila Nova de Famalicão, serve de farol para outros investidores.

A Leica Portugal, que produz câmaras fotográficas da conhecida marca, inaugura hoje as novas instalações na presença do Presidente da República, num investimento de 15,1 milhões de euros, substituindo a unidade antiga.

Em declarações à Lusa, o presidente da AICEP, Pedro Reis, considerou que "este investimento, que é muito bem-vindo e emblemático, reforça a operacionalidade da fábrica em Portugal e serve de excelente farol para outros investidores de topo que estejam a considerar Portugal como destino dos seus investimentos".

Este investimento de expansão "representa o reconhecimento por parte de uma fabricante de topo de máquinas fotográficas e equipamentos óticos de excelência, que é mundialmente reconhecida pela sua qualidade, de que Portugal possui competência técnica e recursos humanos qualificados para produzir produtos de elevado valor acrescentado".

Demonstra ainda "que a empresa está comprometida com Portugal e acredita que o nosso país tem capacidade e competência para fabricar produtos de alta tecnologia e precisão", acrescentou.

A inauguração das novas instalações conta com as presenças do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, do presidente da câmara municipal de Famalicão, Armindo Costa, do presidente da AICEP e do embaixador da Alemanha em Portugal.

Atualmente, a Leica, subsidiária portuguesa do grupo alemão do mesmo nome presente em Portugal há 40 anos, conta com 720 trabalhadores.

Questionado recentemente pela Lusa sobre a faturação da empresa no ano passado, o administrador da Leica Portugal, Carlos Mira, disse que o volume de negócios entre 01 de abril de 2010 e 31 de março de 2011 ascendeu a 37,6 milhões de euros.

"Em 2012, o valor previsional é de 40 milhões de euros", acrescentou.

Sobre as expectativas para este ano, o administrador da Leica Portugal afirmou que "devido à mudança não haverá alterações".

A nova unidade, que fica a cerca de três quilómetros da atual, irá ter 50 mil metros quadrados, dos quais 16 mil metros quadrados são para a área de produção.

Há um ano, em declarações à Lusa, o administrador tinha explicado que a mudança de unidade devia-se à necessidade da empresa em ter uma "fábrica moderna para continuar a corresponder à qualidade exigida dos produtos".

Exclusivos