Espírito Santo Saúde aceitou proposta da Fidelidade

O grupo Espírito Santo anunciou através da Rioforte e da Health Care Investments ter aceitado vender 51% da Espírito Santo Saúde à companhia de seguros Fidelidade, por 5,01 euros.

Em comunicado hoje divulgado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Espírito Santo Health Care Investiments, que é controlada pela 'holding' Rioforte, informa que a decisão foi tomada na sequência do aumento da oferta de aquisição para 5,01 euros por ação da ESS.

O aumento da oferta "representa nomeadamente um prémio de 56,56% face ao preço a que as ações da empresa foram vendidas na oferta inicial de distribuição a 12 de fevereiro de 2014", refere o comunicado.

Segundo adianta o grupo Espírito Santo, a proposta da Fidelidade reuniu todas as condições para ser aprovada, já que não precisa de autorização da Autoridade da Concorrência e respeita os princípios da transparência.

Além disso, acrescenta, a decisão teve em conta a ordem da CMVM para que a UnitedHealth Group retirasse a proposta que apresentara por a ter feito de acordo com uma "conduta não conforme" e o facto de o prazo limite de aceitação da oferta revista da Fidelidade inviabilizar a apresentação de qualquer oferta pública concorrente.

A Espírito Santo Health Care Investiments possui, via ES Saúde, entre outros ativos, o Hospital da Luz, em Lisboa, e gere, em regime de parceria público-privada, o Hospital de Loures.

No final de maio, a ES Saúde anunciou que o seu lucro quase duplicou em termos homólogos no primeiro trimestre do ano, para 4,6 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.