Efacec quer criar consórcio para sinalização e telecomunicações

A Efacec quer criar um consórcio para concorrer ao concurso para a sinalização e telecomunicações da rede portuguesa de alta velocidade (TGV), disse hoje o membro da comissão executiva da empresa Alberto Barbosa.

"Estamos interessados na alta velocidade", disse Alberto Barbosa, referindo que a empresa, que já formou um consórcio para a manutenção e fornecimento de energia para o projecto, está interessada no concurso para a sinalização e telecomunicações.

"Estamos a tentar criar um 'cluster' [pólo tecnológico] de empresas portuguesas que se possa posicionar como ganhador" no concurso para sinalização e telecomunicações, afirmou.

Admitindo que "ainda não há decisões" sobre este concurso que, de acordo com o calendário do Governo deveria ser lançado este ano, Alberto Barbosa salientou a importância de concretizar o projecto de projecto português de alta velocidade.

"A alta velocidade é uma absoluta inevitabilidade. Não é um concurso, não é uma obra. É um mercado do qual Portugal não pode ficar de fora", disse, referindo que têm de ser criadas "condições para que a tecnologia fique em Portugal, para que daqui a cinco ou dez anos estejamos a exportar tecnologia nessa área".

Alberto Barbosa falava durante a conferência de imprensa em que foi apresentado o consórcio para a exploração do Metro do Porto, do qual a Efacec faz parte, juntamente com a Transdev e três operadores rodoviários (VALPI, Espírito Santo e Empresa de Transportes Gondomarense).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.