EDP reforça liderança no mercado livre de eletricidade

A EDP Comercial continua a liderar o mercado livre de eletricidade, quer em número de clientes, quer em consumos, revela o regulador da energia no seu relatório mensal publicado hoje.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) refere que, em dezembro passado, "a EDP Comercial continuou como o principal operador no mercado livre, quer em número de clientes (cerca de 80% do total de clientes), quer em consumos (cerca de 42% dos fornecimentos no mercado liberalizado)", e acrescenta que consolidou a sua posição face a novembro "com aumentos de quota em cerca de 2,2% e 0,9%, respectivamente".

Em relação ao número de clientes de cada empresa, sublinha a ERSE, "não ocorreram grandes alterações nas quotas entre novembro e dezembro, sendo a maior variação a registada pela Endesa, com um decréscimo de 2 pontos percentuais, absorvida pela EDP".

As espanholas Iberdrola e a GN Fenosa, diz o regulador, viram diminuir a sua quota em 0,1 pontos percentuais cada, "ao contrário da Galp, cuja quota aumentou 0,1 pontos percentuais".

Relativamente ao último mês do ano passado e no que respeita a consumos abastecidos, houve as quebras de quota de mercado de 1 ponto percentual registadas pela Iberdrola (21,2%), de 0,2 ponto percentual pela GN Fenosa (4,6%)". Quem ficou a ganhar foi a EDP (42,1%), a Galp (3,6%) e a Endesa (23,6%).

No segmento de clientes domésticos, em que pela primeira vez se ultrapassaram um milhão de clientes, "há a registar uma nova perda de quota da Endesa (10,6%), em cerca de 1,6 p.p. que são captados na totalidade pela EDP, com 82,3% dos fornecimentos do segmento de clientes domésticos", indica a ERSE no relatório.

A Galp, que ganhou uma quota de 0,1 pontos percentuais, "passa a deter cerca 4,5% dos fornecimentos no segmento, seguida pela espanhola Iberdrola, com cerca de 2,4%", adianta o regulador e acrescenta que a evolução da empresa portuguesa liderada por Manuel Ferreira de Oliveira nos últimos meses "explicita uma aposta deste comercializador no segmento doméstico, através da oferta conjunta de gás natural e eletricidade, havendo já quatro comercializadores com quota de mercado superior a 1% no segmento de clientes domésticos e cinco com oferta concretizada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.