Draghi defende atuação de Constâncio no caso BPN

O presidente do BCE, Mario Draghi, defendeu hoje a atuação de Vítor Constâncio no caso BPN e, em resposta a Nuno Melo, diz que mais esclarecimentos podem ser encontrados no relatório da comissão de inquérito parlamentar.

O Banco Central Europeu (BCE) publicou hoje no seu portal na Internet a carta de Draghi em resposta ao eurodeputado do CDS/PP Nuno Melo, depois de este ter voltado a questionar a atuação de Constâncio, após, em entrevista ao Expresso, Durão Barroso ter dito, sem ser questionado, que enquanto foi primeiro-ministro (entre 2002 e 2004) chamou por três vezes o então governador do Banco de Portugal a São Bento para "saber se aquilo que se dizia do BPN era verdade".

Segundo Draghi, Vítor Constâncio já deu as explicações numa conferência de imprensa no início de abril, após ter sido divulgada a entrevista ao atual presidente da Comissão Europeia.

"Nesta ocasião, ele explicou que não havia nova informação a ser acrescentada a partir da entrevista dada pelo Sr. Barroso ao jornal 'Expresso' que não tenha sido tornada pública, nomeadamente no contexto do inquérito parlamentar sobre o BPN, que foi concluído em 2009", afirma Draghi na missiva.

Draghi diz, em específico, que Constâncio esclareceu que o Banco de Portugal realizou várias inspeções ao BPN (Banco Português de Negócios) e que impôs medidas concretas, tais como aumentos de capital além dos requisitos mínimos e provisões adicionais.

O presidente do BCE referiu ainda que Constâncio também confirmou que as preocupações sobre o BPN foram "partilhadas em conversas com o Governo Português, no contexto das discussões sobre a situação geral do sistema bancário, apesar de não ter havido uma reunião sobre este banco em particular".

No entanto, refere Constâncio, apenas em 2008 surgiram informações concretas sobre "comportamento fraudulento", revelado através de carta anónima que levou à descoberta de um sistema de contabilidade paralela no banco fundado por Oliveira e Costa.

Draghi termina a carta a dizer a Nuno Melo que mais informações podem ser obtidas no relatório de 2009 na comissão parlamentar de inquérito.

O BPN foi nacionalizado em novembro de 2008. Em março de 2012, foi vendido ao Banco BIC Portugal por 40 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.