"Desigualdade na riqueza entre países tem aumentado"

A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, alertou na quarta-feira que o aumento da desigualdade da riqueza a nível global é um risco para a estabilidade.

"O aumento da desigualdade é uma preocupação crescente para os líderes políticos de todo o mundo", declarou a diretora do FMI, durante a intervenção sobre a luta contra a pobreza, adiantando que "nos últimos 25 anos, a desigualdade na riqueza entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento tem aumentado".

Na reunião anual de Bretton Woods, Christine Lagarde realçou que atualmente 0,5% da população mais rica é dona de 35% do total da riqueza mundial.

A diretora do FMI afirmou que estas crescentes desigualdades "não passaram despercebidas" e serviram para alimentar o "descontentamento", que deu origem, por exemplo, à Primavera Árabe.

Por seu lado, acrescentou, estudos recentes do organismo internacional demonstram que períodos prolongados de crescimento sustentado estão associados a mais igualdade na distribuição de riqueza.

"Por outras palavras, as sociedades mais igualitárias têm maior probabilidade de ter um crescimento duradouro", declarou, defendendo que o crescimento sustentado deve ser acompanhado por políticas fiscais que favorecem o investimento público para reduzir a pobreza.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.