DECO exige retirada do mercado das "ecobolas"

A DECO contesta a eficácia dos substitutos de detergentes denominados "ecobolas", afirmando que a lavagem de roupa ou loiça só com água tem melhores resultados, e já pediu a retirada do mercado destes produtos com publicidade que considera "enganosa".

A associação de defesa do consumidor DECO, através da sua revista DECO PROTESTE, analisou e testou este tipo de produtos e, segundo um comunicado hoje enviado às redações, concluiu que "as 'ecobolas' para lavagem e secagem são inúteis para o fim a que se destinam".

A DECO defende que as promessas de poupança, a dispensa de engomar e o elogio à eficácia na limpeza presente na publicidade e rótulos destes produtos "seduzem e levam o consumidor a decidir com base em pressupostos errados".

"O consumidor está perante uma prática comercial desleal. As alegações das embalagens carecem de comprovação, podem induzir em erro e são consideradas publicidade enganosa", critica a DECO, que encontrou, inclusive, erros de tradução em alguns rótulos.

A associação de defesa do consumidor exige, perante isto, "a rápida apreensão e retirada destes produtos das lojas", tendo já denunciado aquilo que classifica como "abusos" à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica e à Direção-Geral do Consumidor.

A DECO apresentou a ainda uma queixa no Instituto Civil da Autodisciplina da Comunicação Comercial, para exigir a "análise e verificação" da publicidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.