Custo do trabalho em Portugal aumenta 1,1% no terceiro trimestre do ano

O índice de custo do trabalho em Portugal, excluindo a agricultura e pescas, aumentou 1,1% no terceiro trimestre de 2012, em relação ao mesmo período do ano passado, indicou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o INE, esta variação resultou do efeito conjugado do acréscimo do custo médio do trabalho (com um aumento de 0,3%) e da diminuição do número de horas efetivamente trabalhadas (menos 0,6%).

No trimestre anterior, o índice de custo do trabalho registou um decréscimo homólogo de 4%, que se deveu à descida do custo médio por trabalhador (menos 6,1%) e ao decréscimo do número de horas efetivamente trabalhadas (em menos 2,5%).

"O acréscimo homólogo do índice de custo do trabalho [não incluindo a agricultura e pescas] foi observado em todas as regiões do país (Centro, Região Autónoma dos Açores, Madeira, Lisboa e Algarve)", destaca o INE.

Nas cinco regiões, os acréscimos homólogos do índice de custo do trabalho foram superiores à média global de 2%.

O Centro é a região onde o custo do trabalho por hora efetivamente trabalhada é mais elevado (6,2%), seguindo-se a zona os Açores (6,2%) e a região da Madeira (2,4%).

Por setor de atividade, o custo de trabalho é mais elevado nas indústrias extrativas (8,5%), seguindo-se a construção (6,4%) e a eletricidade, gás, vapor água quente e fria e ar frio (4,2%).

O índice de custo de trabalho é um indicador que mede a evolução dos custos do trabalho por hora efetivamente trabalhada (custo médio horário), na perspetiva do empregador. Estes custos compreendem, para além das remunerações diretas (salários base), os custos com os benefícios dos trabalhadores e demais encargos suportados pelo empregador (prémios e subsídios, pagamentos por trabalho extraordinário, indemnizações por despedimento, entre outros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.