Co-fundador abandona Yahoo para abraçar novos desafios

O portal da Internet Yahoo anunciou que o seu co-fundador Jerry Yang se demitiu hoje do conselho de administração e de todos os cargos que detinha, noticiou a agência AFP.

"Chegou a altura para mim de seguir outros desafios fora da Yahoo", disse Yang, citado em comunicado.

Yang é conhecido nomeadamente por se ter oposto à compra da sociedade pela Microsoft, em 2008, e foi substituído na direção-geral desde janeiro de 2009, mantendo, no entanto, o título de "Chefe Yahoo", a par de uma muito forte influência na sociedade.

As ações dispararam imediatamente após o anúncio da saída de Yang, ganhando 3,69 por cento até aos 16 dólares às 22:00 TMG (mesma hora em Lisboa) nas trocas eletrónicas depois do encerramento do Nasdaq.

Jerry Yang fundou a Yahoo com David Filo em 1995, e manteve-se no conselho de administração ininterruptamente até hoje. Entre 2007 e 2009 assumiu a direção-geral do grupo.

De acordo com fontes da Yahoo, Yang demitiu-se também dos conselhos de administração da Yahoo Japan e do grupo chinês Alibaba, os dois grandes parceiros asiáticos do grupo americano que, de acordo com diversos analistas, representam a maior parte do capital do grupo.

Analistas questionados pelo canal de televisão CNBC, consideraram que após este anúncio a Yahoo terá mais liberdade para analisar as suas opções estratégicas, um processo iniciado no final do verão.

"Respeito a sua decisão, tal como todo o conselho de administração, mas a sua visão e os seus conselhos avisados vão fazer-nos falta", comentou o presidente do conselho de administração, Roy Bostock, no comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.