Chineses poderão estar interessados nos Estaleiros

O presidente da Câmara de Viana do Castelo admitiu hoje que investidores chineses poderão ter interesse nos estaleiros navais da cidade, possibilidade levantada após a visita do embaixador em Portugal à empresa.

O autarca José Maria Costa explicou à agência Lusa que a visita do embaixador da China em Lisboa aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) aconteceu na passada sexta-feira, a convite do município.

"Durante a visita, o senhor embaixador demonstrou interesse e perguntou pela situação da empresa e qual a previsão da solução, se será através de uma concessão ou privatização. Penso que haverá interesse de alguns empresários chineses nos ENVC", admitiu o autarca.

Os estaleiros de Viana estão em reprivatização há mais de um ano, mas o ministro da Defesa já admitiu, em fevereiro, que a investigação da Comissão Europeia aos apoios públicos atribuídos aos ENVC "inquina de forma dramática" o processo, admitindo-se nesta altura outros cenários, como a concessão.

Segundo o autarca socialista de Viana do Castelo, o embaixador chinês comprometeu-se em agendar para breve uma nova visita ao concelho.

"Ele próprio disse que ia entrar em contacto com o ministro dos Negócios Estrangeiros português sobre o procedimento a adotar caso se apresentem interessados chineses na exploração dos ENVC", explicou ainda José Maria Costa.

Oficialmente, no processo de reprivatização, que está suspenso desde dezembro, continua apenas o grupo russo RSI Trading, que estendeu a validade da proposta vinculativa por mais 60 dias, até maio.

Na corrida estava também o grupo brasileiro Rio Nave, que não estendeu a proposta apresentada formalmente em novembro, por aguardar informações do Governo português sobre as averiguações em curso por Bruxelas aos 180 milhões de euros de apoios públicos que forma concedidos entre 2006 e 2007.

No entanto, o grupo brasileiro assume manter o interesse nos ENVC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...