Cheque formação já tem valores: 500 euros para desempregados, 87,5 euros para quem tem trabalho

Os desempregados podem receber até 500 euros no máximo. 87,5 euros é o valor máximo previsto por ação de formação para os trabalhadores no ativo.

O Governo vai avançar com a medida "Cheque-formação" que permite às empresas ou aos trabalhadores candidatarem-se a um apoio máximo de 87,5 euros por trabalhador para financiar ações de formação, segundo um documento hoje enviada aos parceiros sociais.

O Governo propõe-se dar um apoio máximo de 500 euros aos desempregados e de 87,5 euros aos trabalhadores no activo para frequentarem acções de formação à sua escolha e dentro das prioridades definidas anualmente pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

De acordo com o projeto de portaria, ao qual a Lusa teve acesso, podem candidatar-se a este apoio "os ativos empregados e os ativos desempregados" inscritos na rede de centros de emprego e centros de emprego e formação profissional do Instituto do Emprego e Formação profissional (IEFP).

No caso dos trabalhadores empregados, "as candidaturas podem ser apresentadas pelas respetivas entidades empregadoras, ou diretamente pelos próprios".

Neste caso, o apoio a atribuir por trabalhador "considera o limite de 25 horas e um valor hora de 3 euros ou de 3,5 euros, num montante máximo de 75 euros ou de 87,5 euros, sendo que o financiamento é circunscrito a 90% do valor ou custo total da ação de formação", indica o documento do Governo.

A medida "Cheque-formação" constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir às entidades empregadoras, aos ativos empregados e aos ativos desempregados inscritos na rede de centros de emprego e centros de emprego e formação profissional do IEFP, pelo que, através do incentivo à formação profissional, "assume-se como um instrumento potenciador da criação e da manutenção do emprego e do reforço da qualificação e empregabilidade", indica o documento.

A formação profissional deve decorrer em horário laboral e corresponder ao período normal de trabalho e deve ser ministrada por uma entidade formadora certificada, determina a proposta do Governo.

Já o apoio aos desempregados inscritos nos centros de emprego "detentores de nível 4 a 6 de qualificação", têm direito a um apoio financeiro correspondente ao valor ou custo total da ação de formação até ao montante de 500 euros, desde que "frequentem percursos de formação, com uma duração máxima de 150 horas", refere o documento.

A este apoio acresce "uma bolsa de formação, subsídio de refeição e despesas de transporte, desde que a entidade formadora não atribua os referidos apoios", lê-se no projeto de portaria.

Compete ao IEFP proceder "à instrução, à análise e à decisão dos procedimentos de candidatura, tendo em conta, nomeadamente, os critérios de qualidade e de pertinência da formação".

Os beneficiários da medida devem, após o termo da formação, no período máximo de dois meses, apresentar os comprovativos da respetiva frequência junto do IEFP, responsáveis pela aprovação da candidatura.

"O incumprimento por parte das entidades empregadoras ou dos ativos empregados ou desempregados das obrigações relativas à atribuição dos apoios financeiros concedidos implica a imediata restituição da totalidade do montante recebido", refere ainda o documento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.