CGTP acusa Governo de enganar desempregados e financiar patrões "para cumprirem a lei"

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, acusou hoje o Governo de estar a enganar os desempregados e de querer financiar os patrões para cumprirem a lei, criticando as medidas de combate ao desemprego hoje apresentadas aos parceiros sociais.

Arménio Carlos que falava aos jornalistas após uma reunião no Conselho Económico e Social destacou que a estratégia do Governo visa "desvalorizar o emprego" e que as medidas servem para "financiar direta ou indiretamente o patronato, secundarizando a importância da integração dos desempregados no mercado de trabalho".

Em causa está um conjunto de diplomas que preveem estágios para desempregados de longa duração, apoios à mobilidade temporária e incentivos à igualdade de género.

"Aquilo que está em marcha é que tenham apoio durante seis meses e findos os seis meses retornam novamente ao desemprego", criticou, a propósito da medida destinada aos desempregados de longa duração.

Quanto à mobilidade, "não está associada à criação de emprego e à estabilidade" e pretende apenas "dar resposta a algumas tarefas sazonais", nomeadamente no turismo, já que os apoios disponíveis não vão além de quatro meses.

"Receber 200 euros para efeitos de alojamento nem de perto nem de longe assegura uma vida minimamente estável", comentou o sindicalista, lamentando que "centenas de milhões de euros estejam a ser canalizados diretamente para as entidades patronais a pretexto de criar emprego" quando na prática se está a criar emprego precário e de baixos salários.

A CGTP contesta também que sejam disponibilizados incentivos para as empresas que promovam a igualdade de género, já que está em causa está apenas o cumprimento da lei que proíbe a discriminação dos trabalhadores, considerando a proposta do Governo um "desplante".

"O Governo, em vez de agir para obrigar as entidades patronais a cumprir com a Constituição e com a lei, o que lhes está a dizer é que até pagam para que cumpram com a Constituição e com a lei", criticou Arménio Carlos.

O líder da CGTP acrescentou que o apoio não está quantificado e que a proposta foi mandada para a confederação sindical na terça-feira à noite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".