CGD fecha 2013 com menos 500 trabalhadores em Portugal

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) reduziu 500 trabalhadores em 2013, disse hoje o presidente executivo do banco público, José de Matos, destacando que este processo de emagrecimento decorreu sem recurso a despedimentos.

"Fechamos 60 agências e reduzimos 500 pessoas sem qualquer despedimento", disse hoje José de Matos na apresentação dos resultados da CGD de 2013, em que registou prejuízos históricos de 575,8 milhões de euros.

O responsável destacou que a instituição que lidera tem feito o trabalho de emagrecimento da estrutura e de maior eficiência dos recursos "sem quaisquer despedimentos", o que considera "muito importante".

José de Matos disse ainda que com estas saídas, a CGD segue bem avançada no plano de reestruturação que tem de cumprir, o que acordou com Bruxelas.

Em 2012, já tinham saído 105 trabalhadores da CGD em Portugal, tendo chegado ao final desse ano com 9.404 pessoas. Já nas atividades no exterior, as saídas foram superiores, de 226 pessoas, para o que contribuiu a reestruturação que a CGD está a fazer na operação em Espanha.

No total, a CGD tinha 22.874 trabalhadores a 31 de dezembro de 2012, menos 331 do que há um ano atrás.

Em 2013, os resultados consolidados da CGD indicam que os custos operativos subiram 3,3% face a 2012 para 1.394 milhões de euros, com os custos com pessoal a aumentarem 7,9% para 792,9 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.