CGD fecha 2013 com menos 500 trabalhadores em Portugal

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) reduziu 500 trabalhadores em 2013, disse hoje o presidente executivo do banco público, José de Matos, destacando que este processo de emagrecimento decorreu sem recurso a despedimentos.

"Fechamos 60 agências e reduzimos 500 pessoas sem qualquer despedimento", disse hoje José de Matos na apresentação dos resultados da CGD de 2013, em que registou prejuízos históricos de 575,8 milhões de euros.

O responsável destacou que a instituição que lidera tem feito o trabalho de emagrecimento da estrutura e de maior eficiência dos recursos "sem quaisquer despedimentos", o que considera "muito importante".

José de Matos disse ainda que com estas saídas, a CGD segue bem avançada no plano de reestruturação que tem de cumprir, o que acordou com Bruxelas.

Em 2012, já tinham saído 105 trabalhadores da CGD em Portugal, tendo chegado ao final desse ano com 9.404 pessoas. Já nas atividades no exterior, as saídas foram superiores, de 226 pessoas, para o que contribuiu a reestruturação que a CGD está a fazer na operação em Espanha.

No total, a CGD tinha 22.874 trabalhadores a 31 de dezembro de 2012, menos 331 do que há um ano atrás.

Em 2013, os resultados consolidados da CGD indicam que os custos operativos subiram 3,3% face a 2012 para 1.394 milhões de euros, com os custos com pessoal a aumentarem 7,9% para 792,9 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.